Teoria e Prática e o Tino Comercial?

Quando eu era garoto, ouvia falar de uma coisa que se chamava “Tino Comercial”.

imageIsto significava ter a habilidade para desenvolver alguma atividade profissional, fosse ela comercial, ou qualquer outra em que ela fosse capaz de desempenhar com desenvoltura e conhecimento.

Se tratando da área comercial, era considerado você ter a habilidade para comprar e vender. Em outras palavras “jeito” para ser negociante, ter percepção, sabedoria e inteligência para fazer negócios e identificar oportunidades.

A gente então achava que ser comerciante era aquela pessoa que tinha tino comercial.

Depois surgiu outra palavra que começou a ser introduzida em nosso vocabulário, que foi a tal da “Administração”.

Parecia que de repente o tino comercial tinha migrado para a faculdade.

Já não era mais o tino comercial que valia ser predominante e importante, e sim as vendas e o marketing. Era a ciência de vender que estaria inserida no papel do novo Administrador de Empresas, que viria fazer toda diferença, tendo consigo desenvolvido um papel fundamental nos resultados e na atividade de comprar e vender, dentro da atividade comercial, com mais profissionalismo.

Houve então uma desvalorização de parte a parte. Quem tinha tino comercial, passou a achar que os homens do marketing não possuíam o lado prático vivencial, eram apenas meros teóricos.

Quem era do marketing, por outro lado, achava que o outro era um prático intuitivo, um homem só de feeling e nada mais.

O marketeiro se via como técnico, alguém que conhecia o lado mercadológico e que dominava algumas técnicas que poderiam ser bem sucedidas em termos de resultados comerciais.

O comerciante, que era prático, não acreditava nas teorias do marketing, mas sim na sua experiência e achava que essas modernidades eram coisas de modismos de americanos, que jamais dariam certo aqui na terrinha, pois teriam que americanizar o nosso jeito abrasileirado. Ficamos então a viver com este dilema.

O certo é que os tempos mudaram e passaram a exigir cada vez mais do comerciante, pois o jeito do feeling ou do achar, já não jazia mais efeito, pois teria que profissionalizar o que então era amador.

Hoje, espera-se que o comerciante do varejo domine cada vez mais as técnicas de vendas, compras e marketing.

O mercado foi rapidamente se tornando complexo, ficando cada vez mais difícil de ganhar dinheiro. Com toda essa problemática particular da economia global e da própria competitividade, tivemos ainda o desenvolvimento tecnológico, da informática e de tantos outros fatores diretos e indiretos que mudaram e interferiram na maneira antiga em que o modelo do comércio do passado se desenvolvia.

Por tudo isso foi ficando cada vez mais complicado fazer negócios de uma forma artesanal, exigindo conhecimento e experiência cada vez mais diversificada.

Confrontando o intuitivo e o técnico, ou o teórico e o prático, vamos distinguir algumas coisas que mudaram em nossa realidade, exigindo alguns conhecimentos, habilidades, vocação e motivação, em que todos esses ingredientes de forma integrada identifiquem se você de fato tem “Tino Comercial”.